TODAS AS MÚSICAS DE AMOR ME FALAM SOBRE VOCÊ

A Agência Romântica Analítica é uma iniciativa que visa refletir e repensar as formas afetivas e sentimentais que nos cruzam como latino-americanos, analisando diferentes fenômenos da cultura popular.

Participa

NÃO É VOCÊ, É A MÚSICA QUE VOCÊ ESCUTA.

Por que pensar em afetividade? Por que usar letras de músicas românticas?
Porque queremos saber como os imaginários sentimentais são descritos, repetidos e usados diariamente nas letras das canções de amor que gostamos. Queremos saber e entender como essas músicas estão nos afetando, como essas músicas nos influenciam e por que sentimos que elas refletem nossos estados emocionais.

QUANTO VOCÊ ME AMA?

A Agência Romântica Analítica propõe um trabalho de análise de um dos fenômenos culturais mais significativos na narrativa de sentimentos e na instalação do afeto romântico na América Latina: canções de amor populares. Usando análise de discurso e análise estatística, planejamos expor padrões e recorrências nas músicas, nos perguntando o quê mudou, o que está oculto, o que é óbvio e o que é uma obrigação.

O QUE É AMADO QUANDO VOCÊ AMA?

Nós amamos a imagem do amor? Nós amamos como o amor é representado?
Inicialmente, trabalhamos estudando a iconografia das capas de álbuns de música romântica da América Latina, dos anos 20 até os dias atuais. Assim, revisamos a construção do sujeito do desejo de amor, investigando suas composições, seus recursos gráficos e performativos: a posição do corpo, o foco, a pose e o olhar.

A MÚSICA VAI ATRAVÉS DO CORPO (e das idéias)

Na Agência Romântica Analítica propomos uma pesquisa coletiva, emocional e brincalhona para estabelecer como é construído o imaginário romântico que usamos na América Latina. Abrimos o debate e a conversa sobre nossa afetividade, como ela foi educada pelas canções de amor e como podemos reescrevê-las.

DO QUE ME FALA SEU AMOR?

Vamos pensar nas coisas que são ditas nas canções de amor quando você as canta no meu ouvido.
Paramos para ouvir o que elas repetem uma e outra vez, e o que elas decidem esquecer.
Dessa maneira podemos saber o que precisamos dizer, o que resta para cantar e propor em conjunto como reescrever isso que sentimos.